A difícil (e deliciosa) arte de morar sozinha

image

Diferente da maioria das pessoas que decidem sair da casa dos
pais e morar sozinha, no meu caso, minha mãe decidiu sair de casa , acredito que ela achou que estava na hora de eu ser independente. Rs..
Na verdade não foi bem assim. Serei justa. Porque provavelmente se ela ler, terei que acertar as contas depois. Sendo assim, para o bem da minha integridade psicológica melhor deixar tudo explicadinho.
Morava apenas eu e minha mãe, depois de alguns anos ela resolveu se casar novamente, ela insistiu pra que eu fosse morar com ela, mas decidi tentar a independência. É aí que a porca torce o rabo.
Na época eu ainda fazia faculdade tinha acabado de iniciar o ciclo dos 30.
Então era uma correria danada, estágio de manhã, aula a noite, trabalhava em dois empregos, um de semana e outro fim de semana. Enquanto mamy poderosa morava comigo, eu chegava da facul, ia até o fogão e como por milagre tinha comida quentinha, porque a danada fazia próximo da hora que eu chegava o que não era muito cedo, sempre chegava por volta de onze e meia da noite. E lá ia a bonita aqui, sentar e se fartar. Depois ia arrumar as roupas pro estágio ,trabalho e facul. E por incrível que pareça, estavam penduradas no meu armário, limpinhas e cheirosas.
Eu não sei como explicar isso, mas depois que minha mãe se mudou, minha casa começou dar defeito em tudo! A geladeira queimou, a máquina de lavar roupas também, o gás acabou… e o pior: as roupas limpas do armário começaram a sumir, e aparecer um monte de roupas sujas no cesto, nunca mais apareceu comida quentinha em cima do fogão, meus doces favoritos também sumiram, a toalha não aparecia mais no banheiro quando eu esquecia de levar, minha cama continuava bagunçada do mesmo jeito que eu deixava, as coisas da despensa começaram a sumir também. E então me toquei que minha fada madrinha-mãe já não podia mais fazer tais milagres. Pois eu tinha feito a minha escolha.
O começo é mais difícil, porque você entende que depende tudo e exclusivamente de você.
Você começa a entender o significado de economia de um jeito nada agradável. Lembro que eu e minha mãe vivíamos numa briga constante de “apaga-e-acende” luzes. Eu acendia ela apagava. E eu batia o pé no chão. “Mãe não gosto de casa escura, dá uma tristeza” E ela retrucava:” Você vai ver menina, o dia que tiver que pagar a conta da luz vai ver o que é bom pra tosse!”
Tempos depois…
Estava eu assistindo tv a noite( e apenas a tv “acesa”). É … porque depois do primeiro talão de luz morando sozinha, vc descobre que a tv pode sim, ser uma luminária eficiente! E que não precisa de mais nenhuma luz acesa.
Como estava dizendo… estava eu assistindo tv, tentando me adaptar com a solidão, a escuridão e as contas (essas são bem piores que a solidão e a escuridão juntas) chega minha mãe gritando: “Oxi que você tá fazendo nessa escuridão menina?!” E eu, com a cara de pau mais lustrada que conquistei ao longo dos 30 anos, respondi: “Assistindo tv oras.”
Mas é claro que ela não ia deixar passar: ” Uééé!! Mas e aquela história de não gostar de casa escura porque dá tristeza?”
Eu só respondi: “Chegou o talão de luz.” E caímos na risada.
Sabe aquele ditado que praga de mãe pega? Só posso dizer uma coisa: Toma cuidado!
Depois de algum tempo morando só a gente descobre:
Que se você não lavar a roupa ela não vai aparecer limpa no seu armário.
Que se você não tirar do varal, ela também não vai andando até o seu armário.
Descobre também que passar roupas é coisa da era da escravidão e graças à Princesa Isabel a gente não é mais obrigada! E que pode substituir a passada de roupa, (principalmente lençóis e toalhas) por apenas sentar em cima algumas vezes da pilha dobrada, que o efeito será praticamente o mesmo. Salvo algumas exceções , como camisas e vestidos.
Que pode sobreviver sem gás de cozinha, desde que seu microondas funcione juntamente com o forninho elétrico que sua mãe comprou por vinte reais no móveis usados( mãe eu te amo!)
Que arroz feito no microondas é delicioso!
Descobre que precisa sim gostar de macarrão instantâneo, principalmente quando você está morrendo de fome e cansaço e a única coisa que têm no seu armário é o abençoado nissin miojo.
Que trocar resistência de chuveiro ou até mesmo o chuveiro é muito fácil, se comparado a tomar banho gelado no inverno.
Que o botijão de gás não é eterno, e que se você trocar o vazio pelo cheio sua cozinha não vai explodir.
Que existem ferramentas com nomes esquisitos. E você saberá diferencia-las quando sua cama quebrar e você não estiver afim de dormir no chão. (Obrigada Google)
Que você sabe usar a furadeira, apesar de ter que esconder com algum móvel o arrombo feito na parede porque usou a broca errada.
Que você sabe lavar carro muito bem, principalmente quando tem que decidir entre pagar pra lavar o carro, ou tomar uma cerveja com os amigos.
Descobre também que você fica linda com rabo de cavalo! Porque teve que usar o dinheiro da progressiva pra consertar o carro.
Descobre que como você, seu carro também bebe muito. E terá que dividir o dinheiro para os dois.
Que o pó dos móveis só some se você tirar
( isso vale pra teia de aranha também).
Que ama matemática! Principalmente quando vai ao mercado.
Que sua prioridade não é a Internet e sim a água e a luz.
Que as cartas não chegam voando até a sua mesa.
Que se você der uma festa na sua casa, sua mãe não estará lá pra brigar, mas pra limpar também não. Então pelo bem da sua faxina e da sua lombar você vai pensar muito, mas muito mesmo, antes de dar uma festa.
Que aquela cachorrinha vira-lata, sem nome que sua mãe te deixou de herança e que você não ia muito com a fuça dela, tem sérias chances de se tornar a sua melhor companhia enquanto estiver em casa. E aprende a ama-la a ponto de por nome, chorar , gastar todas as suas economias com o veterinário quando ela resolve parar de andar do nada, briga com o veterinário porque você não concorda com o diagnóstico, assina termo de responsabilidade e a retira da clínica porque resolve seguir sua intuição ,e que não é esforço nenhum passar noites em claro alimentando-a de hora em hora com seringa e fazer exercícios de reabilitação, perto da vontade de ve-la bem novamente. Chorar de felicidade quando ela consegue dar um passo. E ficar em êxtase quando ela volta a andar.
Aprendi tanta coisa nos primeiros meses. E de modo algum me arrependo dessa escolha. E venho aprendendo ao longo do tempo.
Aprendi a falar com Deus de um modo diferente. Antes eu pedia muito. Hoje só tenho a agradecer.
Hoje a minha relação com minha mãe é outra. Sempre nos demos muito bem, mas havia as brigas pelo fato de estarmos juntas sempre e por ela não aceitar minhas escolhas. Hoje a maioria das brigas foram substituídas por saudades. E não desperdiçamos nosso tempo. E sempre que possível ela ainda vem dormir comigo. E eu adoro!
Eu mudei comigo também. Minhas prioridades são outras. Meus valores são outros, graças a difícil arte de morar sozinha.
Eu aprendi a conviver muito bem com a solidão. A solidão na dose certa é necessária! Te dá a oportunidade de se auto avaliar. E isso é bom. Faz parte da evolução, do amadurecimento. De se tornar mulher.
Pra quem tem vontade e não tem coragem, só posso dizer que não é fácil! Mas é simplesmente delicioso!
Beijo bem forte suas véia!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s