Um a menos


E lá se foram 33 anos…
E nesse tempo aprendi algumas coisas realmente importantes sob o meu ponto de vista.
Aprendi que quando faço aniversário, nunca tenho um ano a mais, e sim um a menos.
Será sempre um dia a menos pra ser vivido.
Não… Não é drama, é dar conta da realidade, é enxergar o futuro (caso ele exista) como um presente a ser aberto.

E hoje eu aprendi que apenas posso agradecer.

Agradecer as conquistas, aprendizado, dificuldades e pessoas que a vida me apresentou.
Pessoas que me ensinaram tantas coisas e independente da pessoa, ela sempre conseguiu me ensinar algo com suas atitudes, sendo estas boas ou ruins.
E foi tanta gente que passou, tanta gente que me encheu de orgulho, outras de decepções, mas uma coisa é certa,  elas sempre contribuíram para minha evolução. Ou me ensinaram a ser como elas, ou a nunca ser como elas.
Aprendi que erros ensinam,
derrotas fortalecem.
Que amor não mata, apenas me deixou esperta.
Que por mais que eu me esforçe pra não magoar algumas pessoas, elas estão cagando pra mim.
Aprendi também que amigos não são tão poucos assim ( os meus eu não consigo contar nos dedos das mãos). Mas você só vai descobri-los quando tiver num baita perrengue.
Que família apesar dos defeitos, é a coisa mais perfeita que existe.
E que mãe é o melhor presente da minha vida inteira.
Aprendi que protetor solar evita rugas ( já que não tenho dinheiro pra comprar Renew)
E que meu salário faz milagres se eu souber usa-lo. (ainda assim não sobra pra comprar Renew)
Aprendi que eu trabalho pra viver e não o contrário.
Que nunca é tarde pra mudar de idéia.
Que viajar é melhor que aula de história e geografia .
Que exercício físico é necessario, e dieta é uma ridícula perda de tempo,
mas  que bons hábitos são fundamentais!!! Caso eu queira passar dos 50.

O organismo muda e exige algumas precauções, ou então pagamos um preço, nada barato. 

Falando  em mudanças, o corpo (esteticamente falando) tambem muda. Mas se eu troco A Van de hoje pela Van de uns 10 anos atras? Não mesmo. Com o tempo aprendi aceitar meus defeitos e me amar incondicionalmente.

Aprendi que beber é bom, sem ressaca então, é divino.
Há alguns anos via a ressaca como consequencia de uma noite bem das divertidas…
Hoje ressaca pra mim, é como a loira do banheiro da minha infância, assustador!
Sendo assim prefiro evitar.
Nãão gente! Eu não parei de beber não… só tomo engov antes e depois, e água durante a bebedeira!
Aprendi que “Foda-se”é libertador!
Que cérebro é mais atraente que qualquer abdômen sarado.
Que existem mais moleques que homens (independe de faixa etária ).
Que eu ainda tenho muito a aprender.
Que sair de casa é bom, mas voltar pra casa é bom pra caralho!!!
Que a gente nunca valerá muita coisa, pra quem não vale nada.
Que o melhor travesseiro é a consciencia tranquila.
Que o erro é humano e o perdão é divino.
Que a vida é linda se você fizer a escolha certa.
Aprendi que o hoje deve ser vivido o maximo possivel, porque enquanto não se prova o contrário, o amanhã não existe.

Carpe Diem

Trabalhar em Casa

E a importância da Organização do Home Office.

Tenho falado dessa minha nova jornada e depois de ler muitos outros depoimentos, blog’s à respeito de Home Office e consigo, de fato, sentir na pele a beleza e a feiura de se trabalhar em casa.

Sou o tipo de pessoa que tem sérios problemas com organização, quem me conhece bem pode dizer (minha mãe já deve estar coçando os dedos para comentar abaixo e meu marido ta só balançando a cabeça afirmando o que acabei de escrever). Gosto de limpeza, de tudo estar limpo e troco fácil, meu marido com a tarefa de organizar e eu lavar a casa inteira.

Sempre foi assim, até eu começar a trabalhar, nos primeiros lugares onde trabalhei, eu ficava em cubículos, só falando ao telefone e planilhas todas em software, não precisava de muitos papéis, apenas bloquinhos. A mesa era compartilhada, então, não tinha como deixar as suas coisas ali.

Até que , antes de ir para São Paulo, entrei em uma empresa por 3 meses e  trabalhei no Departamento Pessoal, tinha uma mesa minha, onde ficava eu e minha chefe na mesma sala.

Eu tinha o cuidado pra manter minha mesa arrumada, mesmo assim, não era obcecada pela organização, mas era bem cautelosa com os documentos, afinal, não poderia perder nada ali.

Um dia, minha chefe trocou de mesa comigo porque eu precisava mexer em um software que tinha só no desktop dela e ela deu uma “ajeitada” na minha mesa e disse:

-Você não é muito organizada, não é?

Eu não consigo me lembrar da resposta, só lembro da vergonha que passei, minha orelha quase explodiu de tão quente e vermelha que ficou. Aquelas palavras nunca saíram da minha cabeça e me fez mudar. Mudança que se deu apenas no trabalho, na vida pessoal o processo foi bem mais lento.

Em São Paulo, trabalhei em uma grande companhia aérea, minha mala era muito organizada, no avião eu deixava a “galley” (local onde os comissários se organizam para o serviço de bordo) lindamente organizada, só arrancava elogios de dos meus chefes de cabine. E quando saí de lá, trabalhei com seguros, era tanto papel!

Eu me organizava como podia, sabia sempre onde estava qualquer proposta de seguro, apólices, aberturas de sinistro, enfim.. Mas chegava em casa… ui!

Até que hoje  trabalhando em casa, percebi que a irresistível ideia de trabalhar de pijamas, com a casa desorganizada, não da! Eu não produzia, eu me sabotava cada vez que tentava ser produtiva com o meu ambiente de trabalho todo bagunçado.

Eu já estava tão acostumada com a ideia de separar “trabalho” de “casa” que ao juntar os dois,  eu demorei para achar um sistema que funcionasse para mim.

Já tinha li em diversos lugares e certamente vou repetir o que algumas pessoas que trabalham em casa por mais tempo que eu já estão cansados de saber, outros não, algumas pessoas devem conseguir produzir de pijama, de sunga, seja como for… Mas se você, assim como eu, está tendo dificuldades para serem mais produtivos, tentem se organizar.

E quando digo organizar, não to dizendo só da organização da casa e do seu espaço, mas organizar seu tempo.

Tenho que acordar muito cedo (odeio acordar cedo) para arrumar minha filha para a Escolinha  e as vezes, eu voltava a dormir e as 9:30 da manhã eu acordava de novo, fazia meu café, ligava o computador e ficava de pijama até a hora da minha filha voltar, às 11:30 da manhã.

Então, passei a organizar meu dia à partir disso, eu pensei comigo que se eu planejasse o meu tempo, eu conseguiria fazer muitas coisas, bastava fracionar meu tempo e tem dado certo. O dia acaba ficando organizado entre cuidar da família, casa, trabalho, projetos e exercícios, sim, exercícios, sair do sedentarismo é uma meta que quero alcançar antes de terminar este ano!

Funciona pra mim, faz bem e confesso que o processo de criação flui com muita facilidade, percebi que apesar de se trabalhar em casa, devo colocar nossa cabeça para separar o tempo de estar em casa e de se trabalhar em casa. Algumas regras que funcionam para mim:

– Vestir-se como se estivesse indo para seu trabalho;

Seja como for vestido, condicione o seu cérebro e seu corpo para se preparar para a hora do trabalho, seja de salto alto, seja de chinelo de dedo, tire o pijama e a pantufa, vista-se para ir trabalhar.

-Se arrume;

Lava o rosto, tire a remela dos cantos dos olhos, escova esse dente, penteie seu  cabelo, se quiser, se maquie, mas assuma o papel de quem esta se arrumando para trabalhar.

-Organize e Limpe seu espaço;

Arruma tudo antes de se sentar, imagine que a qualquer momento, um cliente pode bater em sua porta e ver o quanto você é organizado (ou não).

-Estipule horários e prazos, não se esqueça do descanso e dos imprevistos;

Funciona para mim: estipulo meu horário para começar, dar um tempo, voltar a trabalhar, parar novamente para preparar meu almoço e almoçar. Volto a trabalhar e ter hora para acabar. Não deixe se levar pela ideia de que você trabalha sem ter hora para acabar, a cabeça da gente tem um limite, principalmente para quem trabalha com criação.

Não tendo tempo para relaxar, ter lazer e estudar, como você se inspira? Saia, converse, curta a família, curta sair de casa e relaxar, se permita viver e observar as coisas além da sua mesa!

Ao organizar seu tempo, conte com imprevistos! Tudo pode acontecer, agende-se sempre para o “antes”, nunca se sabe quando seu computador vai falhar, sua internet vai cair, seu celular vai quebrar!

-Faça banco de horas;

É óbvio que contratempos existem, eu traço minha semana inteira e as vezes meu dia é acometido por eles: consulta, banco, seu dente que quebrou, seu cano estourou e daí a gente acaba tendo que compensar para que nosso trabalho fique dentro do prazo.

Não se esqueça do contrário! Se precisou ficar muito mais tempo trabalhando em algum projeto ou algo que te fez ficar horas a mais no seu trabalho, não esqueça de compensar pelo seu descanso também!

Quando se trabalha no que se ama, não vemos as horas passarem, mas não deixe que isso tome conta da sua vida, ela é uma só (é clichê, mas é tão verdade!).

-O horário que funciona para você;

Trabalhar em casa, dependendo da situação, te dá autonomia de escolher o horário que vai trabalhar. Hoje, se eu fosse solteira, sem filhos eu trabalharia a noite, sim, eu amo a noite, sempre fui mais produtiva a noite e não veria problema algum com isso.

Mas existe uma coisa muito importante chamado:  atendimento ao cliente, deixe claro para seu cliente qual seu horário de trabalho, as horas que estará disponível para responder seus e-mails e mensagens para que ele não sinta que você esta deixando “sem respostas”. Se ele não souber que você trabalha a noite e acaba não respondendo seus e-mails de dia, ele vai achar que você esta fazendo pouco caso dele.

-Atendimento WhatsApp;

Eu não sou quadrada o bastante pra dizer que sou contra, lógico que atendo meus clientes via WhatsApp, mas para mim, tudo deve ser documentado via E-mail. Falo por horas a fio com meu cliente, porém, ao enviar um projeto, um contrato, um recibo, envio um e-mail descrevendo exatamente o que foi tratado pelo telefone: ” Prezado Sr. Cliente, de acordo como falamos ao telefone dia tal, hora tal estou enviando em anexo tal coisa. Estarei à disposição, Juliana.”

Daí o cliente recebe, se tiver algo errado ele vai dizer, se estiver certo, ele agradece. Entende? Oriente seu cliente o jeito que você trabalha, hoje em dia, deixe tudo documentado de maneira que você não fique à mercê de uma “pane” no celular e acabe perdendo todos os dados do cliente em uma conversa no WhatsApp.

-Anote tudo, agende-se;

Coisa que irrita como consumidora é vendedor que me pergunta várias vezes a mesma coisa, já havia dito em um post anterior o quanto isso é importante. Anote tudo, de forma que tenha que pedir a informação apenas uma vez pro seu cliente.

-Afasta-te de toda tentação, amém?

Minha mesa de trabalho fica na minha sala, ao meu lado: um sofá fofo e macio e uma TV que me chama a todo momento para deitar e se acomodar. E não vou dizer que evito sentar-me ali, oras, eu sou de carne e osso… então, uso meu tempo livre para tomar aquele café, meu almoço ali, toda aconchegada, o problema depois é sair de lá… o celular apita: Almoço acabou! Vá trabalhar! Sim, eu já virei a cara pro celular e continuei ali… e pra variar: comprometeu toda minha produtividade naquele tempo que perdi.

Então, posso me sentar ali, desde que eu volte para trabalhar quando for a hora.

-Comprometimento;

Na boa, trabalhar por conta vai além de se comprometer com seu cliente. Você é seu chefe, deixar de trabalhar, faltar ao trabalho, fingir que trabalha é enganar a si mesmo.

Seu cliente não quer saber se seu filho ficou doente, se seu computador quebrou ou qualquer justificativa de não ter entregue um trabalho que foi combinado, se ele não ficar satisfeito ele vai embora, você vai perder seu cliente e quem perdeu foi você.

Daí a pergunta: Você se contrataria? Sabendo que você não é capaz de comprometer-se consigo mesmo?

São coisas que estou aprendendo a lidar, coisas novas são interessantes de se conhecer na teoria e por em prática é muito mais difícil do que se pensa. É como responder perguntas como: Descreva suas qualidades, seus defeitos…

É tentar se conhecer tão bem a ponto de planejar para você, para que você execute, para que você cumpra suas próprias metas, para que você alcance ou não seus próprios objetivos! Loucura né?

Não tem receita ou manual, serve para mim e talvez não sirva para mais ninguém, mas convido você a (tentar) se entender,  planejar e por tudo em prática até saber o que realmente funciona para você. É uma jornada e tanto, e pra mim esta sendo incrível!

TPM


-Tô carente…
-Quer um abraço?
– Siiimm! Me abraça??? Pelo amor da nossa senhora da tpm me soltaaa, não me abraça fiidikenga!!! Não percebe que meus peitos estã doloridos?
-Vamos assistir um filme?
-Não! Não quero chorar!
– Mas é comédia!
– Também não quero rir.. tô de mau humor..
– Quer fazer o que?
-Só quero paz, pode ser?
– Ok! Você ta bem?
– To ótima! Porque?
– Ah sei lá, ta com a cara estranha?
-Tá sugerindo que tô feia, é isso?
-Nãão! Só acho que você não tá bem!
-É obvio que não tô bem! Tem uma bomba dentro de mim! Parece que vou explodir a qualquer momento…
Eu quero chorar de raiva! Quero bater na cara de um! Quero arrumar briga no trânsito! Quero comer caixas de chocolates! Quero sacos de jujubas, (só as verdes) quero ser abraçada, quero matar o vizinho que ousa me acordar as 9 da madrugada gritando com aquela fiarada encapetada.Quero que minha dor passa, juntamente com o inchaço. Quero me sentir magra, quero comer muito, e se você reclamar te mordo também .
Quero sair ; nao suporto mais olhar pra cara desse povo; 

Quero voltar pra casa; não aguento mais ficar em casa;

 Fica comigo; me deixa sozinha, preciso de paz;

 Fala comigo? Para de falar, que a sua voz ta me irritando;
Porque não fala comigo? O que foi que eu fiz?
Vai embora então! Não me deixa sozinha por favor..
Pai amado, vou morrer de tanta cólicaaaa!

#paz
4 dias depois…
-Vamos sair? que hoje quero causar! Quero ver gente!
To me sentindo fantástica!
Acordei rindo com os filhos do vizinho… são uma graça aquelas crianças…
Se não tiver afim de sair, podemos ver um filme. Qual? Ah qualquer um, sabe que adoro filmes. Chocolates? Não precisa não.. sabe que não faz bem..além de tudo, calórico por demais… pode deixar que faço uma saladinha aqui pra gente.
Saudade do seu abraço, aquele estrala costelas..
Mulher: sexo frágil?
Além dessa avalanche de emoções chamada TPM, ainda temos que dar conta de todas as outras obrigações..
Umas com filhos, outras com marido e filhos, outras com familiares, trabalho, estudo, casa,comida, roupa lavada, e segue sem fim a lista das nossas responsabilidades. E ainda ousam nos chamar de sexo frágil?
Eu só pude escrever sobre isso recentemente, porque senti na pele todas essas emoções.
Até os 30 era “de boa”, muita cólica, dor no peito e só..mas de um ano pra cá sempre que entro na tpm, eu sinto vontade de esganar um… “sangue no zóio” mesmo.. e eu que nunca sentia esse turbilhão de sensações, achava que era frescurite aguda da mulherada, paguei a língua..
Então seguem dois recadinhos:
À você mulher, que nunca sentiu isso, não critique, é real. Infelizmente. E apenas agradeça, quem sabe assim a mãe natureza lhe poupe por controlar a língua. (Não tive essa sorte)
À você homem: se possível, mantenha distância! Se de tudo nao conseguir e for obrigado a tolerar uma mulher com tpm, e conseguiu sobreviver ao lado dela sem mata-la, apesar de intimamente ja ter desejado fazer isso, que eu sei.. meus sinceros parabéns! Você é um vencedor! Bem-vindo ao turbulento mundo do sexo instável, mas nada frágil! 

ACORDA, Alice!

Alice vive num país virtual, lá os relacionamentos são diferentes dos tradicionais. Lá, no mundo dela, é tudo muito intenso, verdadeiro, mas, online!
Alice é cheia de sonhos! Acredita piamente que tudo que lhe é dito, é real! E ai de quem disser à ela que ela é inocente!
Falei com ela e ela me contou como foi que começou e terminou seu último relacionamento. Querem saber como foi?! Ela nos contará tudo!
Segue o texto enviado por ela:
” Oi, meu nome é Alice! Tenho 34 anos e sou mãe, carente e sonhadora. Aqui onde moro os amores são mais reais do que vocês imaginam!
Tudo começa quando recebemos uma solicitação de amizade no facebook. É simples, se gostamos da foto e temos alguns interesses em comum, adicionamos. E aí dá-se o início de uma possível linda estória de amor.
A partir daí, começamos a trocar likes, likes são 👍 joinhas deixados nas fotos um do outro. E esses joinhas, vão se intensificando.  😏
Se eu posto e ele curte na hora, está interessado! Eu retribuo! E a conversa no privado começa. ” Oi, tudo bem? Tem whts?” Whts é a abreviação para um APP que usamos muito. Hmmm ele pediu meu whts? Ou eu pedir, é normal. Nesse APP passamos a nos falar diariamente! Gente, é lindo! As perguntas mais comuns são: ” O que você está fazendo? Como foi seu dia? Já comeu? Melhorou? Qual filme? Tá acordada? Dormiu bem? Você esta bem?!” Que mulher que nunca sonhou com alguém tão presente? É bom demais!!!!
Daí em diante, nos falamos por    horas! Diversas vezes por dia! Trocamos fotos! Particularidades! E conforme o tempo vai passando, o relacionamento fica mais sério! Seguimos assim por meses! Conselho, não dê ouvidos aos amigos e familiares! Eles tentarão te dizer que o que vocês vivem é mentira! Se você os ignorar, será mais feliz.
Mas, algo sempre começa a acontecer… Não sei o porquê. Quando eles percebem que estou muito apaixonada, param de curtir minhas fotos, as mensagens passam a ser esporádicas, curte minhas fotos só no Instagram, ou envia somente mensagens in box. No facebook, nunca expõe nosso amor que é tão lindo e verdadeiro no privado😢!
A partir daí, eu não compreendo mais… Eles se afastam aos poucos… É estranho! Nunca conecta online pelos apps: Skype, Viber, Facetime. Acho que é uma regra. Mas não questiono porque eu confio 100% neles. Penso que todo relacionamento precisa haver confiança!
No mundo de vocês, não sei como terminam as historias de amor. Mas por aqui, é assim… os likes começam a diminuir… as mensagens que eram diárias, passam a ser ignoradas, eles visualizam e não respondem na hora!
Não entendo! Como podem mudar tanto? Era tão presente e começa a se afastar assim, do nada…e não adianta questionar que todos dizem que é coisa da nossa cabeça! Se afastam por dias…essa parte é uma das mais tristes… Começamos a perceber que algo mudou! Que tá estranho e que tudo pode acabar!
Excluímos ou somos excluídas, bloqueados ou somos bloqueadas. Mas confesso, é tudo tão real, que choramos por dias! Algumas amigas nunca mais se recuperaram! Eu, ah… nesse último relacionamento que vivi, fiquei sem comer por dois dias, imunidade abaixou, só bebia água e ainda estou me recuperando dessa gripe que adquiri diante desse término.    Mas, estou aqui. Garanto a vocês que passa, mas DÓI muito!
Assim, até nos desligarmos por completo, enviamos mensagens, áudios até levar o “gelo final”. Daí sim, entendemos que acabou. The End.”
Viram como Alice não se atentou para alguns sinais? Ela viveu uma estória em sua mente e acreditou que o que viveu, foi real!
Que tal  a ajudarmos a entender como ela poderia não se iludir mais por meses nesse mundinho dela?!
Primeiro: falar até papagaio fala.
Segundo: ela não tinha contato com ninguém do círculo de amizade dele.
Terceiro: nunca se falaram pela cam.
Quarto:  nunca se viram pessoalmente.
Quinto:  ele se dizia ser muito reservado e pedia discrição à ela. Nada de exposição em facebook.
Nessa estória que Alice viveu e vive, como vocês poderiam ajudá-la a conhecer um mundo real? Um amor real?! Enviem suas sugestões, enviarei à ela e assim quem sabe, ela possa desejar conhecer nosso mundo?!
😉

Os torcedores nossos de cada dia.

Hoje pela manhã, vi essa imagem do marido da nadadora húngara Katinka Hosszu que quebrou o recorde mundial nos 400m medley. Na pequena reportagem, eles diziam: “Anote aí no seu caderninho para a próxima pessoa com quem você tiver um relacionamento: namore/case com alguém que vibre por você tanto quando o marido da nadadora Katinka Hosszu vibra por ela.” (Veja o link no final do post)

Achei bem engraçado e bem válido, apesar dessa imagem e momento não ser, de fato, uma revelação de como é a relação deles, afinal, o marido dela, Shane Tusup, também é seu técnico, então, calma, não vamos colocar o moço como exemplo de relacionamento, mas sim, foi uma imagem muito legal.

O que me fez pensar em, não só no relacionamento, mas sim, durante nossa vida conseguimos detectar certas pessoas ao nosso redor onde te apoiam, torce por você e tem o genuíno sentimento de felicidade por suas conquistas. Desde aquele amiguinho de infância a qual estava sempre torcendo, desde um amigo na adolescência, passava o tempo, dava pra perceber se essas pessoas eram ou não pessoas que torciam por você.

Era triste quando se descobria ao contrário, não é? Amigos (as) tão próximos a quais você gostava de ter por perto, as vezes não compartilhavam da mesma alegria, queriam ter o que você tinha, mas de maneira a qual ele (a) também tivesse, e as vezes a conquista dele (a) era que quando ele(a) tivesse, você perdesse o seu.

Agora aos 30, penso que esse tipo de gente tem aos montes e passa o tempo, vai ficando mais fácil de detectar, porém, não da pra excluir de vez das nossas vidas, mas da pra você manter a distância segura. “Ah Juliana, me poupe, me adaptar pra conviver com essas pessoas que querem me ver lá pra baixo? Não, Impossível”. Pois é, mas o fato é que as vezes, essas pessoas estão entre seus familiares, seus parentes, seus amigos mais próximos, e daí?

Já parou pra pensar que essa natureza doentia possa vir de berço? vem de infância? Já pensou que essas pessoas sofrem mais do que você por ser assim? Eu imagino que alguém a qual elas admirassem demais, talvez até uma figura materna/paterna apontavam as pessoas que “eram melhores do que elas” para que elas se sentissem desafiadas a mudar, enquanto elas não eram boas naquilo, mas eram em outras coisas. A pura ignorância de tentar fazer com que um filho, por exemplo, supere seus medos, a gente “compara” um amiguinho, dizendo: “Viu? Até fulano faz isso.. e você não!“.

Eu to longe de ser psicóloga aqui, mas eu convivo de perto com pessoas cuja  infâncias foi destruídas pela ignorância. Pessoas incapazes de torcer por quem vive ao seu lado, onde sua frustração é que toda atenção do mundo tenha que ser pra elas, senão se sentem diminuídas, menos que nada. Se sentem comparadas por seus filhos (sim, eu disse filhos!), irmãos, pais (sim, eu disse pais), amigos, primos, colegas, vizinhos… e essas pessoas não tem paz e deixam a vida de todos a sua volta mais difícil. E para que fique claro, não to “atirando” geral para cutucar um, são tiros para todos os tipos de pessoas que convivi e convivo!

Tá, então, por isso, você muda totalmente seu jeito de ser e de viver para deixar que o mundo delas seja mais leve?“. Impossível, ninguém esta aqui pra mudar ninguém e mesmo que você mudasse totalmente seu jeito de ser, não seria o bastante.

Então o que eu to querendo dizer com tudo isso? Devemos amar as pessoas como elas são? Sim, como são, mas não necessariamente estar de acordo e ser complacente com tudo que fazem. Devemos tentar entender seus motivos, mas não necessariamente nos adequar ao seu modo de ver as coisas, lembre-se: você também tem um jeito peculiar de ver as coisas, e talvez esse jeito vai mudando conforme o tempo e suas experiências e não porque “alguém” te fez mudar.

Acredito que devemos ter uma “distância segura” para que não nos frustremos porque o contrário também acontece, temos a vontade de que as pessoas mudem seu jeito, para o nosso! E olha, é frustrante quando você descobre que não pode fazer isso. Já disse isso aqui, mas é válido e vou repetir: Você pode ser um ponto de partida, de referência para que uma pessoa mude seu jeito de ver algumas coisas, mas não pode muda-las totalmente e nunca, nunca é garantido que isso se mantenha para a vida toda e as vezes sequer acontece.

Ter essas pessoas ao nosso redor é cansativo, se puder, mantenha-os longe, sem muito contato com sua vida pessoal, trate-os bem, mas seja franco, não falso, faça o que tiver ao seu alcance.

Aconselho-lhes também a não se casarem com uma pessoa assim (Não to falando do meu! O meu marido é um torcedor de bem com a vida! rs) pois essas pessoas te adoecem e casamento por si só já não é fácil, então, para que dificultar a vida, certo? Já tive o desprazer de namorar alguém assim no passado e olha, não é bonito e geralmente essas pessoas são manipuladoras, te deixam pra baixo sem que perceba, daí você se vê num relacionamento abusivo, onde você mesmo se enrolou na teia de aranha. (Veja o vídeo da Youtuber Jout Jout lá embaixo falando sobre isso, é muito bom!)

Aconselho-lhes a também a não terem amigos assim, por mais difícil que seja se manter longe de suas companhias, tentem deixa-los como “colegas”, ou senão você estará a todo momento se contorcendo inteiro para se ajustar para que seu “amigo” não fique sempre “de cara feia” para ou com você.

Se perceber essas pessoas na sua família, tente entender, mas não adule demais, também não bata de frente, mantenha-se seguro para que isso não te deixe para baixo, mas não seja como alguém que não se importa, tente balancear. Se houver intimidade, se abra e se permita ouvir o que o outro tem a dizer, família é família, não jogue fora, tente compreender e ser compreendido, pois não é fácil para você e nem para ele (a).

A todos vocês, desejo que sejam torcedores da vida, torcedores da paz, torcedores de si, torcedores dos amigos, da famíla!  Um grande abraço, desculpem a demora para postar, era para ter sido ontem! rs

Um beijo para todos os véios e véias de 30!

Link da matéria:Nadadora húngara quebra recorde e torcida de marido na arquibancada quebra a internet

Link Vídeo Jout Jout –Relacionamento Abusivo

 

Um anjo em minha vida


Talvez quando eu terminar de escrever esse texto, eu vá deitar, me enrolar num cobertor e liberar em forma de lágrimas, toda essa saudade que de vez em sempre, insiste em bater no peito.
Hoje vou falar de um anjo que resolveu aparecer na minha vida em forma de irmão mais velho. Uma pena que ele não pôde ficar por muito tempo por aqui. Na minha vida permaneceu por apenas exatos 15 anos e uma semana.
Ainda permanece fresquinho na memória, os almoços de domingo entre meus irmãos , cheios de risos fáceis e peripécias, na maioria das vezes, aprontadas por ele!
Ai de quem deixasse a blusa de frio perto dele, num instante a blusa se transformava num emaranhado de nós..que lhe custaria um dia inteiro pra desmanchar.
Tênis com cadarço? Ele sempre dava um jeito de amarrar um pé no outro sem que ninguém percebesse, e lá se ia um de nós pro chão, numa tentativa frustrada de se levantar da mesa.
Adorava me atormentar, botava apelidos, rabiscava minhas bonecas, invertia pilhas, pra elas não funcionarem. Até eu chorar desesperadamente, a ponto de fazer minha mãe pegar uma cinta e correr atrás desse menino danado.
(Se eu soubesse que você iria ficar tão pouco,te deixaria uma boneca exclusivamente pra você rabisca-la. E deixaria colocar quantos apelidos em mim você quisesse).
Eu sinto sua falta todos os dias…
Era trumpetista, desde muito pequeno. E quando tocava, o Snoopy (nosso cachorro) se juntava a ele num dueto emocionante!
Adorava cantar, mas cantava mal pra caramba, foi o ser mais desafinado que conheci até hoje. Gostava de Shakira (estoy aqui), Alexia ( Uh! La la la…), Banda Eva ( meu amor…olha só hoje o sol não apareceu…), de Cidade Negra( o que é que eu vou fazer agora, se o teu sol não brilhar por mim…)e Jovem Pan.
Era lindo! Alto, moreno e forte, muito forte! Arrancava suspiros da mulherada por onde passava.
Era tímido, não sabia dar recado, se embananava todo com as palavras.
Tinha um pé horroroso, e um coração do tamanho do mundo!
E um sorriso metálico lindoo…
Adorava doces! Quando grande já , comprava caixas de bombons e devorava inteira, escondido (só pra não dividir)! Sem falar nas latas de leite condensado que sempre apareciam com furo! Atrapalhando a receita do bolo do fim de semana da minha mãe.
E ele teve um balão amarelo.. o maior de todos… e o último a estourar.
E venceu um campeonto de pipa, era simples, mas foi a que mais alto voou.. guardamos a medalha com um baita orgulho..
Me ensinou a fazer pipa, estilingue, brincar de burquinha, e brincar de carrinho. Passávamos por túneis imensos ao redor da casa, no nosso quintal de terra.
Nos ensinou a fazer redes nas beliches, com cobertores (escondidos da mãe, claro) rasgamos vários. Mas as redes eram fabulosas!

Aprendeu a andar de bicicleta sozinho, e a dirigir também.
Com 9 anos fez um ônibus, o cãmbio era uma ripa, de alguma cama quebrada, as poltronas,eram nossas cadeirinhas, o volante? Uma tampa de panela! Viajamos muito naquele ônibus! Fomos à lugares incríveis!
Éramos em quatro irmãos. Dois e duas. Ele o mais velho, eu a caçula.
No seu último ano de estadia na terra, tivemos o prazer de estudarmos os quatro, no mesmo horário e na mesma escola. Saíamos da escola tarde da noite, voltávamos brincando de futebol na rua até chegar em casa. “A bola” normalmente era uma lata velha, ou qualquer outra coisa que encontrássemos pelo meio do caminho, mas o riso era garantido!
Então chegou dezembro de 96, mês de festa, de planejamentos, ele planejava fazer faculdade, trabalhava desde os 14.
Teve formatura do colegial. Tava tão lindo… já era um homem! Orgulho da família. E fomos prestigia-lo. Muitas fotos. Muitos abraços. Se eu soubesse que o teria por apenas mais uma semana, não teria desgrudado dele nem por um minuto. E uma semana depois,um dia depois do natal, sem nenhum aviso, ele se foi pra nunca mais voltar. E quando o ano novo chegou, ele já não estava mais… e chegaram as fotos da formatura, e ele já não estava mais aqui pra contempla-las… ( ficaram lindas). E naquele momento restou apenas dor e mais dor, um vazio enorme…uma saudade sem fim. E agora já não consigo escrever mais, sem que as lágrimas transforme as palavras em um imenso borrão.
Ele era um anjo. E anjos não foram feitos pra ficar na terra.
Voltou pro céu. Deixando seu cheiro gostoso na nosso memória.
E você sabe por quanto tempo vai ter seus entes queridos por perto? Então ame-os agora, amanhã pode ser que ele não estará aqui pra ouvir o seu “te amo”! Valorize os vivos. Prestigie os vivos.
Visite os vivos. Beije os vivos.Abrace os vivos!
Se declare para os vivos!
Mortos não sentem, não ouvem e não veêm!
Se brigou peça perdão. Orgulho não te traz nada, além de arrependimento.
Eu não consigo entender como alguém briga e fica sem falar com uma pessoa que ama. Seja ela, amigo/a namorado/a, esposo/a, irmão/ã, pai ou mãe.
Por acaso você sabe quanto tempo de vida vocês tem?
Só temos a certeza do presente. O futuro não está em nossas mãos.
Todos temos defeitos, somos seres humanos afinal.
 Ninguém é melhor que ninguém, não importa de quem é a razão , o que importa de verdade é você estar em paz. Não há travesseiro melhor do que uma consciência tranquila.
Infelizmente eu aprendi da forma mais dolorosa possível. Não que eu tenha brigado com ele. Pelo contrário
Estavamos em paz.. nossa consciêcia estava tranquila.. ele foi em paz, porque na nossa casa transbordava o amor.
Mas eu aprendi, que a vida acontece hoje! Que a gente vive num constante risco de perder pessoas amadas. Então porque não aproveitar o tempo que tem amando-as?
A vida é curta demais pra gente se perder em diálogos mal resolvido, nós na garganta, abraços não dado, e pedidos de desculpas não ditos.
Eu realmente lamento não ter meu anjo-em- forma-de-irmão por mais tempo em minha vida. Mas enquanto houve vida houve amor. Agora, há apenas um vazio impossível de se preencher… e muitas, mas muitas saudades…

Aos 30 anos eu serei… e não fui!

Office1Já contei aqui o tanto que já planejei da minha vida e nada saiu como queria. Até ai, tudo bem, quando era mais jovem, achava que aos 30 eu estaria bem perto de um alto cargo em uma empresa e quando os 30 chegaram, eu fiquei frustrada sabe? Não consegui sequer terminar a faculdade, parece que eu não teria mais tempo de me recolocar no mercado de trabalho, nenhuma empresa gostaria de contratar alguém com 30 anos, filha pequena, eu teria que aceitar qualquer coisa.

Daí para ajudar, escolhi uma área onde pessoas mais jovens do que eu, tipo, com 10 anos de idade já pode manjar!  Se souber fazer desenho no computador e manipular imagem, meu amigo, já tem emprego garantido.

Conversando com uma amiga que tem seus conhecimentos apuradíssimos na área de RH me contou o que eu já estava percebendo: As empresas hoje, tem grande dificuldade de achar pessoas que se comprometam com o trabalho, com a empresa, que vistam a camisa. Os jovens, hoje, querem trabalhar no computador! Então, já imaginou no ramo de Design Gráfico? começa-se a atuar muito cedo e a dificuldade de alguém como “moi” (30 anos, com filho pequeno) conseguir entrar em uma empresa e dar os primeiros passos, começar por baixo mesmo, foram impossíveis.

Tava lá no currículo extremamente criativo e ilustrativo: 30 anos, casada, mãe e com objetivo de entrar no ramo de Design Gráfico como estagiaria. E nada! Não tinha como provar naquele currículo que eu tava interessada de verdade em começar do zero. E apesar daquele currículo ser de um trabalho de faculdade que me valeu um 10 em criatividade, não valeu nem -1 na vida real.

Então, em uma conversa com meu marido, já desesperada, procurando um emprego para ajudar em casa, ele me incentivou (como sempre faz). “Vai lá! Bota a cara! Você não precisa ser estagiaria de alguém, você pode aprender na prática, você esta estudando, ta aprendendo, nomeie-se Designer, olha a experiência de vida que você tem, se for pra trabalhar “de graça” pra alguém para aprender, que esse “alguém” seja você. Ofereça seu trabalho de graça, coloque nesses trabalhos o que você aprendeu até hoje, se inspire, tanta gente precisa de uma “arte” bacana para divulgar seus trabalhos, manda ver! ”

E foi assim que botei a cara, comecei desenvolvendo arte pra um, pra outro, participando de concursos, até ir montando meu portfólio. Meu trabalho hoje, perto dos trabalhos de quem eu admiro, falta muito e perto de alguns que tiveram mais coragem do que eu, ta muito bom!

Então, antes de qualquer coisa, trabalhar no que se ama é prazeroso demais. Porque nada é sacrifício: aprender, aprender, ter humildade para aprender ainda mais, não dói, é produtivo e gratificante!

Desejo à todos os trintões e trintonas que realizem-se profissionalmente também, pois é o que nos mantém focados em nós mesmos com o que fazemos, momentos únicos, que depois do expediente, você possa deixar seu trabalho ali, com sensação de dever cumprido,  curtir seu descanso e ter prazer em chegar a hora de trabalhar de novo.

Um abraço aos trintões e trintonas e: Bom trabalho a todos!

Marcas do tempo


Dia desses estava no salão renovando a juba! Enquanto auxiliava a cabeleireira segurando uma das minhas mechas, vi meu primeiro fio de cabelo branco!!! Pareceu-me mais um recado numa placa luminosa, escrita em neon piscante:
V-O-C-Ê   E-S -T Á    V -E -L -H -A!
Instantaneamente bateu uma deprê.. tô ficando velha mesmo! Sei que cabelo branco não significa necessariamente idade avançada, que pessooas ficam grisalhas precocemente. Mas na minha familia significa sim! Ninguém tem cabelo branco precocemente! Então é um sinal de que a idade chegou pra mim!

Passado o desespero inicial, meu primeiro fio de cabelo branco me levou a uma viagem ao túnel do tempo.

Me lembrei de muitas das minhas primeiras marcas que a vida deixou na minha pele.
É engraçado que quando damos entrada no mundo, normalmente chegamos ilesas. Graças a Deus e muitas orações de familiares, cheguei sem nada quebrado, com tudo funcionando lindamente… pulmãozinho, coraçãozinho, olhos, dedinhos.. tudo em seus devidos lugares, sem cicatrizes ,cabeluda e sem nenhum fio de cabelo branco.
Então passam-se alguns dias e já começo a colecionar as minhas primeiras marcas. O umbigo seca, e aí vem minha primeira cicatriz.
E conforme vou colecionando cicatrizes, percebo que a maioria delas foram regadas com lágrimas. Já nasci chorando! Também pudera, mal chego ao mundo e já me cortam o umbigo.
Depois a dolorida da BCG, felizmente não me lembro dos sintomas, nem das dores, mas a marca está aqui, pra comprovar meu momento penoso diante da temível agulha, que posteriormente se tornaria parte da minha rotina e que acabou me fazendo perder o medo.
E veio a catapora, dessa eu lembro perfeitamente! Acabou com minha pele lisinha de criança. Era ferida pra tudo quanto é lado, depois foram secando, mas as cicatrizes… Ah! Essas foram insistentes, ainda carrego algumas marquinhas até hoje.
Depois o meu primeiro tombo de bicicleta esse também foi inesquecível.
Quis aprender escondida, o tombo foi feio, consequentemente não pude chorar na frente da minha mãe, pois desobedeci suas ordens, logo me enfiei no banheiro, chorei escondida e dei um jeito de esconder também o arrombo no joelho esquerdo.
E teve a mordida do cachorro da vizinha, que me segurei sem chorar
firme e forte, até minha mãe olhar e se assustar com o tamanho do furo, então desisti de ser forte , desabei em seu colo e chorei até soluçar. Nada que 30 dias de curativo não dessem jeito na mordida..mas a marca do dente do Faísca se mantém até hoje na minha canela.. (só se passaram 20 e poucos anos e ainda lembro o nome do danadinho).
Mas difícil mesmo era quando a mãe da gente resolvia “curar” nossos machucados com merthiolate! (Só os fortes e com mais de 30 entenderão)
E conforme o tempo vai passando, os tombos vão diminuindo mas as marcas continuam. E outras marcas tendem a aparecer.
Chega a adolescência, e com muito pesar a gente descobre os vasinhos, a celulite, estrias , varizes… mas aí a gente já não chora mais, mas fica uma angústia, e a gente não para de olhar..como se olhar fosse fazer o vasinho sumir. Mas não some.. só aumenta!.
E o tempo vai passando, e então alcançamos a fase adulta, as marcas de expressão dão as caras, que a gente faz questão de disfaçar, com uma boa maquiagem. E agora cabelo branco!
Mais uma marca pra colecão.
Desconfio que na verdade essas coisas de agulhas ,feridas, tombos e cicatrizes é um treinamento bem dos eficientes que a vida nos oferece gratuitamente, pra que quando a gente cresça, consiga lidar com as verdadeiras dores, que cá entre nós não são poucas né?
E constatemente a vida faz isso com a gente. Com o passar dos tempos injeções aparecem disfarçadas de decepções, perdas , igualmente doloridas umas mais, tipo bezetacil, outras menos. Mas depois que crescemos, não temos mais a liberdade de expor nossas dores, já fica deselegante chorar na frente de outras pessoas. Gente grande não chora! Gente grande é forte! Então fingimos ser fortes e quando ninguém tá vendo, a gente libera nossa criança e chora feito um bebê. E aí é um berreiro só.
E com o passar dos anos a vida vai nos passando umas rasteiras. E aí vem os tombos, vários deles!
Mas ainda bem que tem os curativos..por mais que às vezes doa um pouquinho, a gente sabe que é pra cicatrizar o ferimento. E esses curativos vêm em forma de conselho de mãe (normalmente esse é o merthiolate, dói pra caramba mas a gente sabe que é pra melhorar) tem curativo em forma de colo de vó, ombro de amiga, abraço de namorado, de algum modo sempre terá um curativo pra amenizar nossos ralados, nossos tombos.
Mas as cicatrizes… essas na maioria das vezes permanecerão pra sempre em nossas peles.
Depois de viajar no meu túnel do tempo particular, concluí que meu fio de cabelo branco é um presente!
Um presente da vida, por passar por fases nem sempre tão simples e chegar até aqui, ainda que cheia de cicatrizes e marcas, mas com muita vontade de passar para a próxima fase! Porque sei que ainda virão muitas marcas, e antes delas, alguns escorregões, as vezes seguidos de tombos feios mesmo..
Mas espero que pra todos esses tombos, eu tenha a sorte de contar com alguns curativos.
E quanto ao fio de cabelo branco, vou considera-lo como tempo de vida, sendo assim, espero que venham muitos ainda!

O Poder do Agora

 

juliane_miranda_agora_aos_30

Juliane Miranda – Nossa “quase” Trintona!

Agora: Neste momento; Nesta hora; no presente.

Gente como é difícil viver o agora, vivemos preocupadas com o futuro, com o que há de vir .O que vamos ter? O que vamos ser? Ficaremos ricas? Vamos nos casar? Teremos Filhos?

Sim , são muitos pensamentos no futuro , e muitas frustrações no passado , e acabamos não vivenciando o hoje , como dizia meu amado Renato Russo :

” É PRECISO AMAR AS PESSOAS COMO SE NÃO HOUVESSE O AMANHÃ .”

Isso seus lindos temos que  amar mais hoje, amar nossa vida , nossas famílias e amigos , aproveitar nosso dia com qualidade e alegria , parar de buscar , do lado de fora , migalhas de prazer , aprovação , segurança ou amor , o tesouro está dentro de você.

O passado não volta , o futuro não temos e o hoje não acabou , ame mais , sorria mais , abrace mais , isso tudo é um direito seu   , e podemos ter essa escolha , sim , temos o poder de escolher o que nos faz bem e feliz , por favor não percamos esse direito por nada e nem ninguém .

Seus lindos, se dê o luxo hoje , de olhar seu dia com esperança e gratidão , escute aquela música que você ama quantas vezes quiser , coloque aquela roupa que te deixa lindo e confiante e saia por ai arrasando,  irradiando sua luz, sim você é único e iluminado, não sabemos quanto tempo ainda nos resta .

Já dizia Rubem Alves:

“A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente .”

Fósforo que foi riscado, nunca mais acenderá.isso é fato Mas podemos comprar uma caixa nova risos , sim cheia de fósforos , para acendermos hoje ,agora , e aproveitar o máximo que puder nossas oportunidades com esperança e alegria.

Beijuh seus véios lindas!!!


Texto de Juliane Miranda